Casamento Civil (Brasileiros)
18 de outubro de 2017
Lembretes
18 de outubro de 2017

Construímos Casas ou Lares?

Qual a base de uma família nos tempos atuais? É uma mera união entre duas pessoas, movidas por uma paixão que pode ser apenas passageira? Uma das grandes questões que se deve levar em conta, quando se fala de formação de famílias, é qual o alicerce usado. As pessoas talvez estejam construindo muitas casas, porém não lares.

Essa realidade é expressa, infelizmente, através de estatísticas. Nos Estados Unidos, país que costuma medir todas as ações de sua sociedade, uma pesquisa demonstrou que 43% dos primeiros casamentos terminam em 15 anos. Isso significa que mais de dois quintos dos primeiros casamentos dos norte-americanos terminam em divórcio ou separação em no máximo 15 anos, de acordo com um estudo conduzido pelo próprio governo. Um de cada três primeiros casamentos norte-americanos se encerra em menos de 10 anos e um em cada cinco se dissolve em cinco anos.

Essa constatação não é gratuita. Acontece porque o casamento e a estruturação de uma família têm sido tratados com irresponsabilidade. Muitos jovens se unem, cada vez mais, por diversos interesses menos o de constituir um lar. São aspirações financeiras, paixões incontroláveis e motivos até banais que unem um homem e uma mulher. Os filhos surgem posteriormente e cria-se, muitas vezes, um ambiente de aparências onde o divórcio é apenas uma questão de tempo.

Pela Bíblia, é possível perceber que a vida não se desenvolve somente através de aspectos materiais. Ganhar dinheiro, adquirir bens, ter uma boa profissão, concluir uma graduação, mestrado ou doutorado são metas legítimas e importantes. O jovem, no entanto, não deve se restringir a essa busca e elevar sua mente a Deus. E esse relacionamento com o Pai Celeste vale, também, em relação à constituição de uma família.

Valoroso jovem, nos relacionamentos vale a percepção de onde se quer chegar. Ninguém namora sem finalidades específicas e, no caso de jovens cristãos, o casamento é um objetivo nobre e que precisa ser tratado com toda a atenção possível. É melhor orar a Deus e pensar bem do que amargar um divórcio depois e engrossar as estatísticas de separações precoces.

 

Felipe Diemer de Lemos – Jornalista, amigo e colaborador do Cada Dia

Comentários

Produzido por: SdMídia.com.br