Biscoitos de aveia da Rose
30 de novembro de 2016
De todo o coração
30 de novembro de 2016

Dez dicas para um casamento feliz

O casamento e a família estão se tornando cada vez mais uma instituição figurativa no cenário social. Já não se pensa no casamento como uma estrutura essencial para o bem estar do casal e mesmo da família. Casa-se apenas pela apreciação das luzes, cores, flashes, bolos e toda a agitação que envolve a cerimônia. Casar significa apenas isso, a festa, na igreja e no salão de recepção. Não se tem mais a conotação de algo que apenas começou ali e que o casamento de verdade consiste no dia a dia depois.

Quero oferecer algumas dicas aqui no Cada Dia para que aqueles que estão desejosos de fazerem seus casamentos darem certos. São dez pontos que se um casal decide entender e viver, com certeza contribuirão para o fortalecimento da relação conjugal, trazendo maior satisfação e melhores resultados. Aqui estão eles:

01. Compreendendo a verdadeira natureza do amor.
02. Aceitar a perpetuidade e santidade da aliança conjugal
03. Aprender a arte de comunicar-se.
04. Aceitar as diferenças individuais.
05. Seguir o modelo de liderança cristã.
06. Dar à vida espiritual sua prioridade
07. Aceitar uma mordomia cristã total.
08. Reconhecer laços de família.
09. Compreender o papel da sexualidade no casamento.
10. Ter em conta um planejamento de família responsável.

Compreendendo a verdadeira natureza do amor.

O que é amor? Esta é uma pergunta repetida muitas vezes e respondida de tantas maneiras. Mas vejo que existe um problema sério de semântica ao se lidar com a palavra amor. Podemos correr o risco de estarmos falando sobre uma coisa e o interlocutor esta entendendo outra completamente diferente, ainda que os dois estejam utilizando a mesma palavra: amor.

A sociedade ocidental deturpou de tal forma esta palavra que já não se pode mais apenas dizer amor. É necessário defini-la. Especificar. Explicar o que se quer dizer quando utilizamos a palavra amor. Veja alguns exemplos:

– “Amo este carro”, para dizer que é o carro de seus sonhos.
– “Amo andar de bicicleta”, para expressar o prazer deste exercício.
– “Fazer amor”, para ter uma relação sexual passageira sem compromisso, fugaz.

Creio que você poderá pensar numa outra dezena de maneiras pela qual utilizamos a palavra amor fazendo-a significar muitas coisas diferentes. Assim, numa relação como o casamento é muito importante que ambos os cônjuges saibam o que cada um está querendo dizer ao utilizar a palavra amor.
Os romancistas, especialmente os autores de novelas e escritores de filmes para Hollywood, tem feito um desserviço para os casais que desejam manter o seu casamento por um longo tempo.

Veja. Eles trocaram, o princípio do amor pela emoção ligada ao amor. Agora é mais fácil você pensar em amor como algo passageiro, ardente, voluptuoso, abrasador, grandioso, maior que você mesmo(a), e que quando está presente você não sabe explicar, mas você sente. Você percebeu que ao pensar em amor desta maneira você está descrevendo uma emoção? E que o amor tem uma emoção ligada a ele, mas que a emoção não é o amor? O amor tem que ser algo diferente da emoção que está ligada a ele. Este sentimento é a paixão. Que tem a função de uma faísca quando se quer ascender uma fogueira. É intenso, queima, pega fogo, mas não mantém o fogo. É necessário algo maior para que o fogo perdure por toda uma noite fria. É preciso lenha, madeira de verdade para manter o que a faísca apenas iniciou. Essa madeira firme é o amor princípio.

Em um relacionamento amor é um princípio em torno do qual algumas ações são apresentadas e praticadas. Assim, amor é uma atitude, não importa se exista a intensidade ou o calor da faísca, ele permanece, é constante e assim é possível se desenvolver uma confiança que leve à intimidade.

Aqui quero enunciar essas ações ou atitudes que num outro texto vou pormenorizar. Mas, lembre, amor que não contenha estas atitudes não vale a pena ser chamado de amor.

Na gramática as ações se expressam por verbos, assim quero dar cinco verbos que compõem o amor, a persistência em praticá-los mesmo em situações adversas é que determina a maturidade do amor. Aqui estão eles:

1 – Conhecer
2 – Respeitar
3 – Cuidar
4 – Responsabilizar
5 – Compreender

Cada uma destas ações merece um artigo isolado para explicá-las. Mas por hoje fico aqui. Lembre-se. Amor baseado em sentimento é tão fugaz como qualquer emoção. Um dia você a sente outro não. Num momento você pode estar alegre e amando e sentindo-se amado e noutro sente-se completamente só e rancoroso com todos à sua volta. Se seu amor estiver baseado em sentimentos ele será tão frágil, fútil, inseguro, e instável quanto às emoções que você sente. Mas se seu amor está alicerçado no amor atitude, cada dia, cada momento você praticará as cinco atitudes, independente se naquele dia você está com bom humor ou se é o dia mais sombrio pra você. Suas ações estarão sendo praticadas porque existe algo mais sólido, duradouro, seguro e estável que as emoções. Você se sentirá mais capaz de amar e se colocará numa posição mais favorável para ser correspondido ao amor.

 

Adami Gabriel – Psicólogo, amigo e colaborador do Cada Dia, reside e atua no EUA

 

Comentários

Produzido por: SdMídia.com.br