A Difícil Tarefa de Educar

A Difícil Tarefa de Educar

- em Crianças
983
0

Nenhuma outra tarefa do mundo é tão complicada e exigente como a de criar filhos. Em tempos de tantos clamores liberalizantes, pressões de grupos e tensões emocionais intensas, ser pai talvez se tenha tornado o dever mais heróico do homem.

Entretanto, diante dos desafios e dificuldades impostos pela paternidade, chega a ser patético, como pais por acidente biológico encaram a formidável tarefa de educar seres humanos com o mínimo imaginável de conhecimento e preparo.

Para o desempenho de atividades relativamente simples, se aceita como estabelecido que anos de treinamento devem ser despendidos para se chegar, às vezes, apenas à mediocridade. Todavia, toma-se como certo que dois jovens entrem, para a tarefa de serem pais, naturalmente dotados de preparo e conhecimentos.

A paternidade é pois, uma carreira que nos é imposta sem qualquer investigação quanto à nossa competência, daí a necessidade de antes de se trazer filhos ao mundo, ponderar sobre problemas de tal magnitude, a saber, os milhares de fatores que contribuem para a formação psíquica de um ser humano e as diretrizes que ajudarão a um pai corresponder aos propósitos da paternidade.

Quantos pais, por não conhecerem as necessidades básicas de seus filhos, por não lhes darem sentido de dignidade e valor, causam neles irreversíveis rupturas psicológicas em forma de complexos, temores, insegurança, que além de programá-los para o fracasso, rouba-lhes o auto-respeito que lhes é dado por Deus como uma das maiores forças da personalidade.

Mais tarde, quando percebem que fracassaram como pais, por constatarem que o produto resultante fica muito aquém do esperado, quando o mundo sente-se no direito de apontar um dedo acusador, quantos pais, como Paul Newman ao se considerar o maior culpado pelo suicídio de seu filho, têm que confessar: “Somos monstros que matamos nossos filhos”.

Ao contrário disso, nada pode ser mais belo e compensador do que observar um filho seguindo em direção à maturidade e independência, inserindo-se na sociedade plenamente capaz para a busca da realização do seu próprio ideal.

 

Marcos Osmar Schultz – É Pastor no Rio de Janeiro e amigo e colaborador do Cada Dia

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Viva a terceira idade!

  Estamos vivendo mais, então é melhor cuidar