E depois?
12 de outubro de 2016
No papel de madrasta
19 de outubro de 2016

Mais da metade das pessoas se arrependem de divorciar

Recebi uma reportagem publicada pelo jornal Extra do Rio de Janeiro, que achei pertinente e a transcrevo aqui.

“Decidir pelo divórcio é sempre difícil. Tanto que, passado o calor do momento, mais da metade das pessoas se arrepende. Foi o que mostrou uma pesquisa realizada no Reino Unido com 2 mil pessoas: nada menos do que 54% admitiram que ficaram se perguntando se fizeram mesmo a escolha certa, e a resposta foi “não”.

Para alguns, o arrependimento foi tão grande que 42% consideraram dar uma nova chance ao relacionamento. Desses, 21% estão juntos do ex-parceiro novamente.

Segundo a psicóloga e terapeuta de casais Daniela Ervolino, do Psicolink, situações como essas são comuns também no Brasil.

— Muitos casais se separam por impulso. Cada vez mais as pessoas querem resolver tudo instantaneamente e têm menos paciência para se dedicar ao relacionamento — avalia.

Para a especialista, em geral, o arrependimento no divórcio se deve à falta de flexibilidade e de abertura para o diálogo enquanto a relação existia — dois erros que levam à separação precipitada.

— As pessoas não conversam sobre os problemas por medo de iniciar uma discussão, por preguiça e por achar que o outro já deveria saber determinada coisa. Falar e ouvir é fundamental — afirma a psicóloga.

 

Segundo a reportagem, as dez razões principais para o arrependimento são estas:

  1. Sentir falta do ex
  2. Sentir-se um fracasso.
  3. Ainda está apaixonado pelo ex
  4. Perceber que o casal não foi razoável com a decisão
  5. Sentir-se solitário
  6. Descobrir que a grama do vizinho nem sempre é a mais verde
  7. Ver o ex com novo parceiro
  8. Perceber que os dois são melhores juntos que separados
  9. Ter prejuízo no relacionamento com os filhos
  10. Ver que a vida dos filhos foi afetada

Bem, a possibilidade do divórcio deve ser pensada e analisada com muita calma, pois todos os casos não são iguais, porém é indiscutível que a maior parte da argumentação dos que divorciam é perfeitamente solucionável.

Comentários

Produzido por: SdMídia.com.br