Estresse Infantil
9 de agosto de 2017
Não economize o perdão
30 de agosto de 2017

Oceanografia

Duração:
08 semestres, conforme sugestão da unidade para o cumprimento do currículo pleno, sendo o prazo máximo de integralização 12 semestres.

Atuação:
O oceanógrafo é o cientista dos mares. Ele atua na preservação da fauna e da flora marinhas, desenvolve técnicas para melhor aproveitamento dos recursos naturais e minerais, planeja a pesca e o cultivo de peixes e crustáceos, analisa a composição da água, suas interações com o clima e variações nas diversas profundidades. A pesquisa de novos recursos alimentares e de técnicas de controle da poluição dos oceanos e zonas costeiras também são de seu campo de interesse. Essa diversidade torna a oceanografia uma ciência multidisciplinar, que requer conhecimentos de áreas tão díspares quanto a física, a química, a matemática, a geologia e a biologia.

Mercado de trabalho:
A preservação ambiental é um dos campos que mais empregam oceanógrafos atualmente. Nessa área, ele pode atuar em grandes indústrias, gerenciando o controle ambiental ou prestando consultoria sobre os possíveis impactos de diferentes atividades. Há lugar também em universidades, institutos de pesquisa e nas reservas e parques destinados à preservação da biodiversidade marinha – como os projetos Tamar e Peixe-Boi, entre outros.

Berenice Gomes Gallo, oceanógrafa formada pela Fundação Universidade do Rio Grande do Sul (Furg), é coordenadora da regional São Paulo do Projeto Tamar, com sede em Ubatuba. Segundo ela, existe um mercado em expansão para o oceanógrafo na área de conservação ambiental. Pode-se trabalhar dentro das universidades, em órgãos governamentais como o Ibama, ou em ONGs criadas com o objetivo de cuidar de determinada área, espécie ou região.
O setor produtivo é outro empregador de oceanógrafos. Em um país como o Brasil, com uma costa extensa e rica, há grande potencial para atividades como a aqüicultura e a maricultura. A indústria da pesca está se modernizando e deixando para trás as práticas meramente extrativistas. Um bom exemplo é o cultivo de camarões no Nordeste brasileiro, para o qual a assessoria de ocenógrafos é indispensável.

Também na extração petrolífera, o oceanógrafo encontra colocação. Os impactos ambientais causados por derramamentos de óleo e acidentes com plataformas de petróleo suscitaram a necessidade e a importância de dispor desses profissionais trabalhando na prevenção e na solução de acidentes ambientais.

www.ufpa.br/cg/oceanografia.htm

Comentários

Produzido por: SdMídia.com.br