Pílula engorda?

Pílula engorda?

- em Só para as Mulheres
1835
2

A pílula anticoncepcional foi um sucesso estrondoso quando surgiu no começo da década de 1960. Meio século depois, continua sendo um dos métodos contraceptivos reversíveis mais populares do mundo. Apesar disso, meias verdades e ideias equivocadas insistem em contaminar essa conquista. E um dos mitos mais recorrentes é o fatídico “pílula engorda”.

Puxa-Quero-Paciência. Vamos lá.

Os efeitos colaterais mais comuns da pílula incluem sangramento, mamas doloridas, náuseas e dores de cabeça. EM ALGUMAS POUCAS MULHERES – leia essas palavras maiúsculas novamente -, a pílula pode resultar em um PEQUENO ganho de peso devido retenção hídrica. A bem da verdade, uma revisão de 44 estudos científicos não encontrou qualquer evidência de que a pílula cause ganho ponderal na maioria das usuárias. Naqueles raros casos, o ganho de peso foi irrisório, mínimo e temporário, desaparecendo em 2 a 3 meses.

Se você foi uma das sorteadas por este fenômeno da natureza e ganhou alguns gramas a mais depois da pílula, converse com seu médico. Ele(a) poderá sugerir uma pílula de um tipo diferente. Isso porque nem todas as pílulas são a mesma coisa, você sabia?

Existem dois tipos de pílula: as de hormônios combinados (contendo estrogênio e um progestágeno) e as de progestágeno isolado. Apesar do estrogênio ser quase sempre o mesmo (estradiol), o progestágeno varia bastante. Marcas diferentes possuem doses diferentes de tipos diferentes de progestágenos, e os efeitos colaterais podem ser maiores ou menores dependendo disso. Independente do tipo de pílula, é importante usar pelo menos durante 3 meses para que os efeitos colaterais iniciais desapareçam.

Quando foi que o mito de que pílula engorda começou?

Quando a pílula surgiu, ela continha uma quantidade de estrogênio muito muito muito maior que aquela encontrada nas formulações mais modernas. Coisa de 1000 vezes mais hormônios que o necessário. Altas doses de estrogênio podem causar ganho de peso devido ao aumento do apetite e da retenção hídrica. Ou seja: nos dias da sua avó, a pílula de fato engordava.

Hum… Tinha smartphone naquela época? Pois é, algumas coisas mudaram.

As pílulas atuais possuem uma quantidade bem menor de hormônios, e não engordam mais.

Correlação não significa causa! Existem várias explicações para o fato das mulheres associarem o uso da pílula ao ganho de peso.

A principal e mais importante: o início do anticoncepcional em geral marca um período de transição de etapa e estilo de vida. A taxa de metabolismo basal começa a desacelerar a partir dos 12 anos de idade, a auto-percepção corporal se intensifica na adolescência (qualquer gordurinha fora do lugar é o prenúncio de um terrível apocalipse inclemente de auto-crítica), o nível de atividade física diminui (você não vai exatamente brincar de pique esconde ou amarelinha com seu namorado aos 19 anos de idade…) e a autonomia na escolha dos próprios alimentos aumenta.

Mas é mais fácil culpar a coitada da pílula. Toda a ideia de estar colocando hormônios para dentro do seu organismo… puxa, isso deve causar alguma coisa, certo? Vai ver que é o ganho de peso. Bingo!

Do meu ponto de vista, a noção (equivocada) de que a pílula engorda atingiu um ponto que está além do alcance da ciência. As mulheres QUEREM acreditar nisso e nenhuma evidência científica neste planeta irá tirar essa pré-concepção da sua cabeça. Não interessa quantos estudos sejam feitos, quantas entrevistas de especialistas sejam lidas, a imensa maioria das senhoras e senhoritas DESEJA ARDENTEMENTE apontar a pílula como a responsável pelo excesso de peso.

Aceitar que as frustrações, a falta de planejamento e a ansiedade desmedida estejam sendo descontadas em calorias e transformadas em obesidade é simplesmente duro demais. Comprimidos não reclamam – nem acusam.

Eu acredito em você quando você diz que ganhou peso quando começou a tomar a pílula. Mas não acredito que você tenha percebido que a culpa nem de perto foi do contraceptivo.

Se você ainda duvida, seguem abaixo algumas referências científicas para justificar meu ponto de vista. Aguardo ansiosamente pelas SUAS referências científicas, ok?

Alessanro Loiola

Bibliografia
Uras R, Orrù M, Etzi R, Peppi G, Marotto MF, Pilloni M, Zedda P, Lello S, Melis GB, & Paoletti AM (2009). Evidence that in healthy young women, a six-cycle treatment with oral contraceptive containing 30 mcg of ethinylestradiol plus 2 mg of chlormadinone acetate reduces fat mass. Contraception, 79 (2), 117-21 PMID: 19135568

Berenson AB, & Rahman M (2009). Changes in weight, total fat, percent body fat, and central-to-peripheral fat ratio associated with injectable and oral contraceptive use. American journal of obstetrics and gynecology, 200 (3), 3290-8 PMID: 19254592

Beksinska ME, Smit JA, Kleinschmidt I, Milford C, & Farley TM (2010). Prospective study of weight change in new adolescent users of DMPA, NET-EN, COCs, nonusers and discontinuers of hormonal contraception. Contraception, 81 (1), 30-4 PMID: 20004270

Edelman, A., Jensen, J., Bulechowsky, M., & Cameron, J. (2010). Combined oral contraceptives and body weight: do oral contraceptives cause weight gain? A primate model Human Reproduction, 26 (2), 330-336 DOI: 10.1093/humrep/deq335

Adeghate E (2000). Effect of oral contraceptive steroid hormones on metabolic parameters of streptozotocin-induced diabetic rat. Contraception, 62 (6), 327-9 PMID: 11239621

Göretzlehner G, Waldmann-Rex S, & Schramm GA (2011). Extended Cycles with the Combined Oral Contraceptive Chlormadinone Acetate 2 mg/Ethinylestradiol 0.03 mg: Pooled Analysis of Data from Three Large-Scale, Non-Interventional, Observational Studies. Clinical drug investigation PMID: 21250761

Teepker M, Peters M, Kundermann B, Vedder H, Schepelmann K, & Lautenbacher S (2011). The effects of oral contraceptives on detection and pain thresholds as well as headache intensity during menstrual cycle in migraine. Headache, 51 (1), 92-104 PMID: 20946429

Breech LL, & Braverman PK (2010). Safety, efficacy, actions, and patient acceptability of drospirenone/ethinyl estradiol contraceptive pills in the treatment of premenstrual dysphoric disorder. International journal of women’s health, 1, 85-95 PMID: 21072278

PROCTER-GRAY, E., COBB, K., CRAWFORD, S., BACHRACH, L., CHIRRA, A., SOWERS, M., GREENDALE, G., NIEVES, J., KENT, K., & KELSEY, J. (2008). Effect of Oral Contraceptives on Weight and Body Composition in Young Female Runners Medicine & Science in Sports & Exercise, 40 (7), 1205-1212 DOI: 10.1249/MSS.0b013e31816a0df6

Gallo MF, Lopez LM, Grimes DA, Schulz KF, & Helmerhorst FM (2008). Combination contraceptives: effects on weight. Cochrane database of systematic reviews (Online) (4) PMID: 18843652

Sobre o autor

Posts Relacionados

2 Comentários

  1. E as injeções? Gostaria de saber se tem alguma que engorde menos. Sei que cada mulher tem uma reação mas tem algum post falando sobre? Achei este site http://cyclofemina.com.br/ do cyclofemina mas quero mais informações. Agradeço

    1. Pericles Ramos

      Boa tarde Estela!
      O anticoncepcional injetável é um composto de hormônios que funciona exatamente como os anticoncepcionais orais, inibindo a ovulação. No entanto, apresenta uma probabilidade bem maior de engordar do que o oral.
      Antes de escolher algum tipo consulte seu médico.
      Péricles Ramos

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de ler

Seu sono, sua saúde

Dormir na companhia de bilhões de ácaros é