A terceira idade é alcançada pelos vencedores
17 de janeiro de 2018
Dez dicas para não se casar com a pessoa errada
17 de janeiro de 2018

Tempo de “causar”

“Um homem sem memória é um homem sem história’, logo vamos resguardar nossos melhores contadores de histórias e marcadores de experiências” – nossos professores (Claudia Nunes)

Hoje em dia, vira e mexe, esquecemos alguma coisa. A velocidade da vida diária e nossa constante mobilidade tornaram nosso cérebro refém dos desejos e das ações externas. Sem notar, mas com algumas dores, nossa biologia está alterada. Em pleno vigor biológico, nosso cérebro e corpo tentam se adaptar, assimilar e responder às nossas (intencionais ou não) solicitações, mas, vira e mexe, são vencidos. E vencidos, falham, rateiam, entram em disfunção e nos desequilibram: hoje, acredito, estamos em desequilíbrio eletroquímico e cheios dos mais variados mecanismos de defesa.

Uma de nossas maiores preocupações é a percepção de que a falha de memória está se tornando ‘natural’ demais. Num mundo em velocidade acelerada, a falha de memória é assustadora. Não me refiro às razões patológicas ou da chegada da velhice, isso realmente é natural, acontece; refiro-me à velocidade das informações, à crescente necessidade de se ‘saber e fazer de tudo’ um pouco, ao stress da vida moderna em que há mais cortisol do que serotonina (mais desprazer do que prazer) sendo jorrado em nosso corpo etc. Estamos eletrizando demais nossas conexões neurais e criando ‘brancos’ enormes no cérebro. Vivemos em crise e desconfortáveis de nossos esquecimentos.

Esquecemos a chave de casa (está na mesa), procuramos os óculos (estão em nossa cabeça), ‘perdemos’ o carro num estacionamento ou supermercado, deixamos objetos importantes em diferentes lugares, esquecemos palavras comuns, enfim: somos reflexo vivo da vida moderna e nossos neurônios de associação, muito exigidos, vão ficando desvairados, senão esgotados completamente. Estes esquecimentos, quando constantes, requerem atenção, muita atenção, pois prejudicarão, em médio prazo, nossas diferentes relações e causarão, senão dificuldades, transtornos às nossos comportamentos cognitivos e relacionais. É preciso ter muita atenção a isso!

Em nosso cotidiano veloz, entre ter atenção e compreensão, e realizar armazenamento e resgate (processo de construção do conhecimento e da memória) de informações, é cada vez mais real a presença do estresse, do pouco sono, da má alimentação e, lógico, da má gestão das relações pessoais com o dia a dia. Se assim o é, no meio disso tudo, como fica, por exemplo, o ambiente escolar? Como ficam aprendentes e ensinantes em meio ao processo de construção da memória de longo prazo? Só a afetividade basta para emocionar o cérebro e mantê-lo aprendendo? Bom eu não sei, mas, de ‘prima’, digo: na escola, essa falta de atenção, qualquer falta de atenção é mais (muito) perigosa.

Quando adolescentes, os sujeitos estão confusos, se transformando rápido, tensos de futuro, além de extremamente sociais e autoafirmativos. Suas expectativas estão fixadas no tempo presente. Conquistas, sucessos, amores, dinheiro, sustentabilidade estão na ordem ‘do agora’ e suas relações envolvem estas necessidades e interesses. Seus cérebros estão assimilando informações dentro dessas afinidades, e, em contraponto, é forte e imprescindível a necessidade de autoafirmação, quer por desejo presente, quer por objetivos futuros: o tempo todo isso os retroalimenta.

Embora se imaginem (se projetem) no tempo como grandes conquistadores (médicos famosos, engenheiros famosos, empresários famosos, DJs famosos, artistas famosos, cantores famosos etc.), sua ambiência escolar atual está coagulada, com mielinização rala e sem ‘cola’ em diferentes áreas do saber oferecidas a eles como possibilidade curricular de realizar seus imaginários. E ai: desatenção, indisciplina, violência ou indiferença. Alertas, aqui, à sensação de falta de integração dos alunos ao processo de ensino sempre igual. Então por onde começar? O que fazer?

Particularmente, eu aceito a perspectiva do tempo. É o tempo que nos separa e diferencia. Tempo de vida. Tempo das gerações. Tempo de expectativa. Tempo de formação. Tempo dos desejos. Tempo, tempo, tempo. Sem pensar nisso, é difícil pensar em transformações ou, ao menos, nos porquês das transformações e renovações das práticas e necessidades de um e de outro ator educacional. Afinal, todos precisam de todos.

Nosso sistema nervoso (ensino) entrará em colapso sem o sistema endócrino (aprendizagem) porque estão/estamos perdendo afinidades. Sinapses (aprendizagem) só tem qualidade quando se realizam por afinidade e demandam a participação de todas as nossas memórias mais proteicas e oxigenadas. Então se há forte divisão entre as expectativas estudantis e as propostas pedagógicas e didáticas, o jeito é ‘causar’. Ou seja, é preciso irritar as células e criar formas de condutibilidade das informações no cérebro; é preciso dar sentido, significância, ‘marcar’, ‘surpreender’, ‘desafiar’, ‘chamar a atenção’ e acelerar o movimento sanguíneo e a respiração com força. Porém, atenção, para além da percepção de que as práticas pedagógicas e didáticas precisam de renovação e mais sinergia com o mundo estudantil e tecnológico atual, há a séria necessidade de reformatação da formação dos docentes dentro dessa modernidade toda.

Tal e qual o cérebro, o professor está refém de um tempo em que se sente um estranho, um visitante, um imigrante, quando se vê no contexto da sala de aula. Sua memória cognitiva (formativa) também não encontra ‘cola’ em seu aprendizado teórico. São células gliais em dieta líquida rala demais. Seus neurotransmissores entram ‘em parafuso’ por falta de informações afins anteriores. Ele se sente um corpo estranho. Mas, ainda assim, dizem, ele precisa se adequar para não desaparecer como tantas outras profissões. Será?

Como é preciso criar novos potenciais de ação (impulsos nervosos) para gerar atenção, curiosidade e questionamento discente, é preciso também potencializar a capacidade docente de estar atento ao novo tempo e seus novos alunos. Aqui ‘causar’ também é uma fonte rica de transformação e realização da ‘decantada’ qualidade docente para o século XXI. E ai, de novo, devemos ter atenção ao tempo: no período de formação, o cérebro do futuro docente, por ritmo e repetição, é crivado de teorias cuja base é o aluno ideal. Acontece uma constante plasticidade em torno da romântica idealização do ensino, da aprendizagem, da escola e de seu futuro aluno. Estranho, não?

Fora isso, em sala de aula, apresentam-se o tempo da reflexão (cognição docente) e o tempo da diversão bem mais tecnológica (cognição discente). E lidar com isso não tem perspectiva na universidade. É a primeira emoção negativa de um docente porque não basta reconhecer essa (ou aquela) realidade, é preciso ativar a memória de longo prazo ou mesmo o cerebelo (e suas memórias mais antigas), criar excitações neuronais e didáticas, para compreender e aprender as novas performances discentes exigidas com boa fluidez e criatividade. Como assim? Se no período formativo, os neurônios especializados tiveram outras tarefas, como exigir outras ações agora? Como recuperar uma memória docente que não se excitou e aprendeu? Como recuperar informação que não se tem?

Bom, continuo pensando, não tenho respostas… Mas sei que não há facilitadores, é trabalhar ou trabalhar; é se experimentar ou se experimentar. Muitos são os sentidos e os tipos de memória (visual, audiovisual, sinestésica e outros), e dependendo da área do saber em questão, o docente pode privilegiar um deles ao longo de seu trabalho, se tiver feeling, tempo e possibilidade de estudos ‘focados’ em determinado ensino e aprendizagem contextualizado. Senão, será uma proposta de reação instintiva mesmo. E isso tanto pode se oferecer como um momento excelente de ‘oxigenação do cérebro’ e atualização pedagógica; como também, pode ‘causar’ muitos problemas nos ensinos e nas aprendizagens (construção do conhecimento e de memórias de longo prazo) porque haverá a percepção, por exemplo, da falta de sentido do que se pedir como atividade pedagógica.

Se tudo o que for possível estiver eliminado, a resposta está no impossível e daí sinceramente, é ser curioso e aprender a correr riscos. Se o mundo está em erupção social e educacional depois da forte entrada das tecnologias digitais e virtuais, novos caminhos precisam ser encontrados e os planos do curso educacional (re)traçados. Não se pode perder (esquecer) nada e/ou ninguém nos dias atuais, muito menos um professor. Atenção, muita atenção!

 

Claudia Nunes – Doutorando em Neuropedagogia, amiga e colaboradora do Cada Dia.

Comentários

Produzido por: SdMídia.com.br