Seminário Amor e Perdão
15 de julho de 2019
Qualificação vai muito Além do Domínio do Inglês
17 de julho de 2019

Como Amar seus Filhos

O conhecido psiquiatra Dr. William Glasser declara que muitos dos problemas emocionais dos seres humanos têm como origem a frustração de duas necessidades básicas da vida: amar e ser amado. Victor Hugo também declarou a suprema felicidade está na convicção de que somos amados.

Acredito que a maioria dos pais ame seus filhos, mas, eles sabem disso? Gostaria de colocar algumas formas práticas, através das quais, podemos demonstrar que os amamos:

Dando exemplo de nosso amor conjugal. Os filhos sentem-se seguros e aconchegados quando percebem que seus pais se amam.

Amando com amor incondicional. Amá-los sem levar em conta qualquer outra consideração. Não devemos condicionar amor a comportamento. Isso não é deixar de dar-lhes correção e orientação, mas sim passar-lhes a segurança de que nunca deixaremos de amá-los.

Amando através do contato visual. Os filhos precisam do contato de nosso olhar. Olhos nos olhos é uma forma eficiente de comunicar amor a qualquer pessoa. Também pode ajudar os pais a avaliarem se o filho passa por algum tipo de insatisfação emocional. Nesse caso, a tendência do filho é olhar para baixo ou dar as costas aos pais. Com crianças pequenas, é importante que os pais se ajoelhem para olhá-las diretamente nos olhos.

Amando através do toque. Muitas pesquisas estão surgindo sobre a importância de abraçar nossos filhos. Fisiologistas afirmam que os terminais nervosos da pele estão associados a certas glândulas vitais com centros no cérebro. Abraços (na hora certa!) podem ser terapêuticos.

Amando através da comunicação. Uma boa comunicação com seu filho não implica somente em você falar. Ouça o que ele tem a dizer. Procure ouvir sem julgar, deixando-o colocar seu ponto de vista. Converse, oriente, mas não esmague a forma dele encarar as situações.

Amando através de uma disciplina coerente e firme. Há filhos que chegam a provocar seus pais, em busca de disciplina. Há pais que não percebem isso e se fazem de surdos. Umas palmadinhas (não dadas com raiva) aplicadas no lugar certo, como corretivo (Você vai precisar apanhar porque fez isso e isso, depois do papai/mamãe ter dito que você não poderia fazê-lo) podem evitar excessos e pode ser exatamente o que seu filho está pedindo. Conheço casos em que após o momento da aplicação da disciplina, os filhos agradeceram a seus pais. Já pensou nisso?

Amando através de seu tempo e atenção. Muitos pais estão ocupados demais envolvendo-se totalmente no que diz respeito à realização profissional, negligenciando assim as necessidades emocionais de seus filhos. Quando foi a última vez que você levou seus filhos para passear? Quando estiver organizando sua agenda, lembre-se que seu filho também precisa de você. Dê o passo em direção a ele.

O espaço para escrever é pouco, mas a importância é irrestrita. Pais, mães, lembrem-se: nenhum sucesso profissional ou realização pessoal pode compensar o fracasso do lar.

Jaime Kemp – Pastor e escritor de diversos livros sobre o assunto.

Comentários