O sentido da vida
11 de julho de 2018
Longe do perigo
11 de julho de 2018

O influenza está solto

Ao primeiro espirro, fique esperto. Se for um simples resfriado, não há com que se preocupar. Os sintomas são leves e a recuperação demanda poucos dias. Mas, caso seja gripe, jamais subestime seu poder. Trata-se de uma doença grave, que pode gerar complicações e levar a morte, principalmente em idosos, crianças ou pessoas debilitadas, adverte o médico Elie Fiss, professor titular de Pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC. Caso você seja a próxima vitima do influenza, não hesite em procurar ajuda médica aos primeiros sinais manifestados, pois 30% dos idosos apresentam infecções secundárias por conta dela. Existe medicação específica para combater os efeitos do influenza, adianta o pneumologista.

De molho, na cama

Você vai perceber logo de cara se é gripe ou resfriado. Embora os sintomas iniciais sejam praticamente os mesmos nos dois casos (sensação de cansaço, indisposição, dores musculares e corrimento nasal), os sinais da gripe são mais intensos, incapacitantes e duradouros. Além da febre alta, o mal-estar e as dores musculares são tão intensas que o paciente sequer tem forças para se levantar da cama. Tanto é que, segundo especialistas, a gripe influenza é uma das doenças que mais geram faltas no trabalho e queda de produtividade nas empresas.

Também é considerada pela Organização Mundial de Saúde um dos mais graves problemas de saúde pública, já que atinge pessoas de qualquer idade e em qualquer canto do planeta. A estimativa é de que a gripe atinja todos os anos 20% da população mundial, algo em torno de 600 milhões de pessoas, e seja responsável por cerca de 1 milhão de mortes. No Brasil, são aproximadamente 18 milhões de casos por ano, com média de 22 mil mortes.

Complicações à vista

Resfriado e gripe são inflamações das vias respiratórias aéreas causadas por vírus. Só que no resfriado não é sempre o mesmo vírus que ataca o indivíduo. Existem inúmeros tipos diferentes, sendo os mais comuns o adenovírus e rinovírus. Na maioria das vezes, de acordo com o médico Elie Fiss, um analgésico é suficiente para aliviar os sintomas. Nem sempre há febre e, quando ocorre, geralmente é baixa, explica.

Com a gripe é outra história. Ela é causada pelo influenza, vírus que vive em constante mutação e propaga-se com grande rapidez. Representa grave perigo para a saúde não pela doença em si, mas pelas complicações que podem surgir no meio do caminho, como sinusite, rinite, meningite e pneumonia. Os problemas de saúde que levaram o Papa João Paulo II à morte em 2005 foram desencadeados pela gripe, recorda o pneumologista. Se nem Sua Santidade foi poupada pelo influenza, o melhor que os mortais comuns podem fazer é se prevenir o melhor possível contra ele.

Cuide-se bem

• Se possível, evite espaços aglomerados na época do inverno, a temporada do influenza
• Limite seu contato com pessoas que estão contaminadas e não toque em objetos manuseados por elas. Ao espirrar ou tossir, a pessoa gripada espalha no ar o vírus, que pode ser facilmente inalados por quem se encontrar no ambiente.

• Lave as mãos com frequência.

• Mantenha a umidade do ar nos ambientes em níveis adequados.
• Se mesmo com esses cuidados você não conseguir escapar do influenza, procure o médico caso manifeste alguns dos seguintes sintomas: febre alta, tosse intensa, falta de ar, respiração difícil, pescoço rígido, dor de cabeça intensa, gânglios inflamados ou diarreia em crianças. São sintomas que sugerem complicações mais graves.

Seja qual for a caso, é necessário também redobrar as cuidados com a alimentação.
• Consuma muito líquido, principalmente se ocorrer febre ou peito carregado. Com febre, a pessoa transpira mais, e essa perda de fluidos do organismo pode causar desidratação.
• Banhos prolongados com água morna, especialmente de imersão, podem ajudar a reduzir a febre e o desconforto que causa.

• Mulheres grávidas, crianças e pessoas com histórico de úlcera não devem tomar antitérmicos ou analgésicos por conta própria. Consulte o medico.

Combata o Inimigo

A vacina contra a gripe é uma das melhores armas no combate à doença. Como os idosos são mais propensos a ela, o Ministério da Saúde promove anualmente campanhas de vacinação gratuita para quem tem mais de 60 anos de idade. A deste ano ocorreu entre 26 de abril e 16 de maio, quando foram imunizados 12.501.788 idosos em todo o país, segundo dados parciais do Ministério da Saúde.

Estudos nacionais e internacionais mostram que a vacina contra influenza reduz em mais de 50% as doenças relacionadas à gripe nos idosos vacinados e, no mínimo, em 32% as hospitalizações por pneumonias. Além disso, as pesquisas apontam para uma queda de pelo menos 31% nas mortes hospitalares por pneumonia e influenza (gripe) e de cerca de 50% naquelas relacionadas a doenças respiratórias. Quanto aos óbitos entre idosos por diversas causas, o percentual de queda varia entre 27% e 30%. Mas qualquer cidadão, criança ou adulto, pode ser imunizado em clínicas particulares, segundo o pneumologista Elie Fiss. Como o influenza também gera consequências danosas para a economia das empresas, devido a faltas e queda de produtividade, muitas organizações investem na vacinação de seu quadro de funcionários. Caso você decida apostar na vacina, fique sabendo que:

• A vacina é especifica contra o influenza e, por isso, não protege contra outros tipos de vírus que também causam infecções respiratórias, mesmo que apresentem sintomas parecidos.
• A vacina necessita de 15 dias para estimular o organismo e começar a fabricar anticorpos protetores. Nesse intervalo há chance de a pessoa ser contaminada pelo influenza.
• Ela também não garante proteção total. Mesmo assim, quem contrair gripe depois de receber a vacina certamente apresentará uma forma mais benigna da doença, semelhante a um resfriado.

• Seus efeitos colaterais, se aparecerem, são leves. Geralmente, os adultos podem sentir algumas dores corpo. Crianças às vezes apresentam febre de baixa intensidade.
• Ao contrário do que muita gente pensa, a vacina não causa gripe, pois ela é constituída por vírus mortos. O que pode acontecer é a pessoa contrair a doença nos 15 dias necessários para que o organismo produza os anticorpos.

O remédio está na mesa

Seja gripe ou resfriado, não descuide de sua alimentação para garantir uma recuperação melhor e mais rápida. Como diziam nossas avós, canja de galinha realmente é um santo remédio. Além de ser nutritiva, estudos comprovam que o calor e um aminoácido chamado cisteína, liberado quando a carne da galinha é cozida, tornam o catarro menos espesso. Servida quente, ainda melhora a expectoração. Além disso, aposte em alimentos ricos em zinco, nutriente que colabora para a diminuição de resfriados, gripes e outras doenças comuns do inverno. o zinco é encontrado em aveia, feijão e leite. Se isso traz conforto a você, faça uso da tradicional medicação caseira, como chás com limão e mel, por exemplo.

 

Guia de saúde Dr. Coop

 

Comentários