Dia do idoso
15 de agosto de 2018
Consciência
22 de agosto de 2018

Relembrando os bons tempos

Qualquer um que esteja casado quer que a experiência seja a mais feliz possível. Mas só a motivação não basta. Nenhum de nós tem energia para iniciar um processo de mudança a menos que tenha esperança de que isso possa levar a uma satisfação maior. Com relação ao casamento, devemos acreditar que as coisa podem ser mais ricas, melhores. Elas podem! Como evidência deste potencial, precisamos apenas examinar o início do nosso relacionamento.

Infelizmente, muitos de nós se tornam vítimas da crença errônea de que o que acontece no casamento é inevitável, e o que aconteceu no passado é apenas uma lembrança agradável. Nos momentos mais cínicos chegamos até a pensar que aqueles primeiros tempos devem ter siso apenas fantasia. Mas a verdade é que nessa época nosso amor era genuíno e generoso. Era um tempo de menores expectativas, em que tratávamos nosso parceiro com carinho e, em troca, nos sentíamos aceitos e valorizados. No passado, havia mais entendimento e menos reclamação, maior capacidade de perdoar, mais amor e menos dor.

A maioria dos casais teve boas razões para se casar. Cada um pensava que o outro era maravilhoso e esperava continuar achando isso sempre. Qualquer que tenha sido o nível de maturidade quando casamos, e sem relação com o quanto realmente conhecíamos sobre a outra pessoa, a maioria de nós se casou porque encontrou alguém importante e significativo que quis entrelaçar suas vidas.

Tentem lembrar-se de que ainda são as mesmas pessoas que uma vez ficaram juntas e juraram votos de amor e compromisso. Quaisquer que tenham sido as mudanças ocorridas e as dores que tenham causado um ao outro, pare um instante e olhe para trás , lembrando novamente o amor que ambos gozavam.

Estar disposto a relembrar esses sentimentos é absolutamente crucial, porque são estas primeiras experiências que fornecem uma medida do potencial a ser compartilhado. Mesmo que estes sentimentos tenham estado cobertos por um longo tempo, lembrar-se de por que você se casou e o que você sentia fornece um guia para o caminho de volta – não uma volta ao passado, porque este se foi para sempre, mas um retorno a vivacidade e esperança que sentia antes e pode ainda sentir no futuro.

Você pode estar pensando: “Mas somos tão diferentes agora – não há jeito de sentir o mesmo de antes.” A verdade é que você está provavelmente menos diferente do que acredita, e muito mais próximo de sentimentos de ternura, confiança e cuidado. Mas o que estamos pedindo requer um ato de fé no início – uma disposição de acredita que essa possibilidade existe.

“Já faz muito tempo que um de nós sentiu alguma coisa parecida com o que você está falando”, disse uma mulher, ceticamente, quando pedida pra relembrar alguns de seus primeiros sentimentos em relação a seu casamento. Encorajada a tentar, começou contando histórias de seu namoro, e depois de algum tempo estava sorrindo e falando com terna animação … Religar-se com a importância e a significação de um parceiro não apaga automaticamente a dor e o desapontamento, mas fornece um parâmetro.

Melvyn Kinder e Connell Cowan – Doutores em Psicologia, conferencistas e autores de diversos livros.

Comentários